Crítica – Alien Covenant

Ridley Scott prometeu voltar as origens da saga de Alien fazendo um longa assustador e agoniante como o primeiro filme dos Xenomorfos, mas isso não acontece em Alien Covenant e o diretor não cumpriu sua promessa, apresentando um filme que conta um
pouco de cada história da saga, mas não passa de uma sequência de Prometheus.

Muitos fãs esperavam que Alien Covenant fosse um “prequel” de Alien: O Oitavo Passageiro, mas na verdade o longa é mesmo uma continuação direta de Prometheus, e amarra as pontas soltas do filme anterior, e  que realmente foi o ponto baixo do filme. Como fã da franquia isso foi o que menos fez sentido em Prometheus e o que mais me incomodou em Covenant.

O início do filme apresenta os personagens e a “família” da nave Covenant é muito bom e te prende, e mesmo as primeiras aparições dos Aliens são assustadoras, muito parecidas com o primeiro filme da saga, onde os personagens não faziam ideia do que acontecia com eles. Mas de repente no segundo ato o filme vira um Prometheus com explicações sem sentido e falta de coerência, mas o terceiro ato se torna um Alien: O Resgate e a personagem de Katherine Waterston (Daniels) se mostra uma bela Ripley junto com Danny McBride (Tennessee) que tomam conta do filme e fazem uma das sequências mais eletrizantes entre os filmes.  Michael Fassbender também está bem no longa e interpreta os Sintéticos David e Walter, personagens que fazem parte da trama central do filme, fazendo as explicações e os questionamentos.

Alien Covenant estreia dia 11 de maio nos cinemas brasileiros, vale o ingresso mas não faz jus as expectativas dos fãs.

Nota: classificação site 3

Sinopse: 2104. Viajando pela galáxia, a nave colonizadora Covenant tem por objetivo chegar ao planeta Origae-6, bem distante da Terra. Um acidente cósmico antes de chegar ao seu destino faz com que Walter (Michael Fassbender), o androide a bordo da espaçonave, seja obrigado a despertar os 17 tripulantes da missão. Logo Oram (Billy Crudup) precisa assumir o posto de capitão, devido a um acidente ocorrido no momento em que todos são despertos. Em meio aos necessários consertos, eles descobrem que nas
proximidades há um planeta desconhecido, que abrigaria as condições necessárias para abrigar vida humana. Oram e sua equipe decidem ir ao local para investigá-lo, considerando até mesmo a possibilidade de deixar de lado a viagem até Origae-6 e se
estabelecer por lá. Só que, ao chegar, eles rapidamente descobrem que o planeta abriga seres mortais.

Facebook – https://www.facebook.com/NaoSeiNd

Instagram – @naoseind

Twitter – @nsnadaa

Nosso podcast

https://mundopodcast.com.br/teiacast/variedades/nao-sei-nada/

Anúncios

2 opiniões sobre “Crítica – Alien Covenant”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s