Vidro | Crítica

Após 19 anos o diretor M.Night Shyamalan fecha a trilogia que se iniciou com Corpo Fechado (Unbreakable), passando por Fragmentado (Split) e chegando até Vidro (Glass) um ótimo filme que tem a cara do diretor e vai deixar seus fãs muito felizes, mas que precisa ser encarado como uma continuação dos filmes anteriores e não deve ser assistido individualmente.

Vidro faz muitas referências ao primeiro filme da trilogia, que foi lançado em 2000, com Bruce Willis voltando ao papel de Donald Dunn e Samuel L. Jackson como Elijah Price. O longa se passa algumas semanas após os acontecimentos de Fragmentado, onde James McAvoy interpreta David, que na verdade se apresenta como “A Horda”, explicado como uma pessoa que tem seu corpo tomado por várias consciências. David Dunn se vê obrigado a enfrentar A Horda enquanto Elijah planeja mostrar que os super seres existem e estão entre nós.

Casey (Anya Taylor-Joy) e Mãe de Elijah (Charlayne Woodard)

Os coadjuvantes tem grande importância na trama como Casey (Anya Taylor-Joy) que retorna para ver Kevin e sua Horda e acaba sendo a humanidade dentro do monstro, a Mãe de Elijah (Charlayne Woodard) que está sempre presente ao lado do filho e entende o que ele sofre por ser diferente e Joseph Dunn (Spencer Treat Clark) o filho de David que se questiona em alguns momentos, mas acredita que o pai é um herói

O longa conta com as características do diretor que sabe contar uma boa história e entregar um plot twister que faz a cabeça explodir, além é claro, de manter o espectador sempre apreensivo e cheio de dúvidas sobre o que vai acontecer, mesmo dando dicas e mostrando muito durante o próprio filme.

Shyamalan entrega em Vidro o que os fãs da trilogia tanto gostam, misturando um pouco da ambientação dos dois filmes anteriores e trazendo algo inesperado e novo ao mesmo tempo. Um filme com a temática de Super-Herói que se questiona e faz com que nós espectadores questionemos tudo ao redor, que consegue conversar com fãs de quadrinhos como muitos filmes de herói não conseguem, além de um excelente longa que merece ser reconhecido e assistido por todos que amam quadrinhos.

GLASS..Samuel L. Jackson as Elijah Price/Mr. Glass and James McAvoy (background, in yellow) as Kevin Wendell Crumb/The Horde in Glass, written and directed by M. Night Shyamalan. ..Photo Credit: Jessica Kourkounis/Universal Pictures…

Vidro vale o ingresso e vale muito a pena ser assistido junto com os antecessores, uma ode aos quadrinhos que questiona o amor que temos e ao mesmo tempo se mostra adoradora do tema em questão, se mostrando um filme sobre heróis e, principalmente, sobre vilões. Mas é bom parar por aqui para não dar nenhum spoiler.

Vidro (Glass) estreia dia 17 de janeiro nos cinemas.

Confira também nossas redes sociais:

Facebook – https://www.facebook.com/sitenaoseinada/

Instagram – @sitenaoseinada

Twitter – @sitenaoseinada

1 thought on “Vidro | Crítica

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: