Crítica – Moana: Um Mar de Aventuras

A Disney embarcou em filmes de princesas independentes que não precisam de príncipes para seguir a vida, e com Moana realmente o príncipe fica de lado, já que ele nem existe na história

Anúncios

A Disney embarcou na onda de filmes de princesas independentes que não precisam de príncipes para seguir a vida, e com Moana realmente o príncipe fica de lado, já que ele nem existe na história. Com uma menina que precisa ser líder e salvar sua tribo, tudo isso enfrentando os perigos do seu jeito, superando seus medos e trazendo uma mensagem de amor e compaixão que somente a Disney consegue mostrar no cinema.

O filme conta a história de Moana, a filha querida do chefe de uma tribo polinésia, escolhida pelo próprio oceano para reunir uma relíquia mística a uma deusa. Ela zarpa em busca de Maui, um semideus lendário e espera salvar seu povo.

Assim começa a aventura que parecia nos trailers que seria de Maui, o semideus, mas não é isso que acontece no filme. Moana sempre tenta entender o que é ser uma líder, e temos uma lição durante todo o filme do que são nossas tradições, e qual é a importância delas para o bem coletivo. A necessidade  de manter o meio ambiente também é abordada, assim como superar os nosso medos e acreditar que tudo pode mudar se lutarmos pelo o que é certo.

Realmente a animação aborda muitos aspectos e o que chama mais atenção é o fato de Moana ser independente, diferente de outros desenhos anteriores essa “princesa” não precisa de nenhum príncipe para lhe mostrar o que fazer, ou até mesmo para ter um andamento na história. Já que realmente essa figura não existe durante todo o filme, Moana quer ser uma líder para o seu povo, e é tratada com respeito mesmo ainda sendo uma menina.

O único ponto negativo foi mudarem a dublagem, onde inicialmente o semideus Maui era Guilherme Briggs. Mas isso não modificou tanto a experiência, já que a animação se sustenta por conta do seu roteiro.

A Disney está mudando sua maneira de contar histórias e isso agrada muito. Acredito que Moana não vai ser o sucesso que Frozen foi, mas essa animação consegue nos mostrar valores reais e modernos, diferente de Elsa e Anna a “filha do chefe da tribo”, como ela se denomina durante o filme, é forte e independente. Claramente uma animação que muda tudo o que conhecemos quando o assunto é o universo das princesas Disney.

Moana: Um Mar de Aventuras estreia dia 5 de Janeiro e vale muito o ingresso.

Nota: classificacao-positiva

Confira nossas redes sociais:

Facebook – https://www.facebook.com/sitenaoseinada/

Instagram – @sitenaoseinada

Twitter – @sitenaoseinada

NãoSeiNadaCAST é o podcast do site Não Sei Nada que tem o intuito de trazer humor para os assuntos mais sérios do universo Nerd/Geek. Apresentado por amigos que adoram falar sobre esses assuntos sempre que estão juntos, de uma maneira descontraída e sem grandes pretensões, apenas para mostrar nosso amor e paixão pela cultura Pop e que podemos discutir com opiniões diferentes mas sempre se entendendo e rindo muito.

Anúncios

1 thought on “Crítica – Moana: Um Mar de Aventuras

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: