Horas Decisivas – Análise/Crítica

O longa Horas Decisivas (The Finest Hours) se baseia no livro homônimo de 2009, escrito por Casey Sherman e Michael J. Tougias que conta a extraordinária história real do maior resgate feito por um pequeno barco salva-vidas da Guarda Costeira norte-americana, em 1952 quando dois navios petroleiros colidiram na costa de Cape Cod, em Massachusetts.

O filme começa um pouco lento, mostrando o início do romance entre o casal Bernie Webber (Chris Pine) e Miriam (Holliday Grainger), mas então a guarda costeira é informada sobre um acidente que deixa um navio petroleiro a deriva no mar, enquanto uma nevasca e uma grande tempestade estão se aproximando da cidade, um cenário já bastante preocupante até que se descobre que o acidente incluía mais um petroleiro que não teria chance de resgate.

The Finest Hours

A partir dai o filme muda totalmente de cara, fazendo com que o drama dos marinheiros que tentam sobreviver em metade de um petroleiro a espera de um resgate que eles nem sabem se vai conseguir chegar, juntamente com oficiais que tentam atravessar uma grande tempestade em um pequeno barco para tentar chegar aos possíveis sobreviventes, e as famílias que aguardam o retorno desses oficiais, se misturam transformando pessoas reais em verdadeiros heróis.

O filme surpreendeu bastante e em vários momentos era difícil tirar os olhos da tela, já que as cenas no mar eram gigantescas e era possível sentir o desespero e a luta de todos daqueles homens pela sobrevivência em situações onde se tinham poucas esperanças de qualquer tipo de sucesso no arriscado e improvável resgate.

O filme não mostra apenas o resgate em si, mas também aborda um pouco da espera dos familiares e pessoas próximas daqueles que estavam envolvidos de alguma forma no perigoso resgate e suas consequências.

Algumas cenas, mesmo que bem curtas, mostram também a importância das mulheres que ficam em terra firme enquanto os homens estão no mar e como elas tem que lidar com as consequências da arriscada vida de quem depende do mar. Enquanto nas cenas do petroleiro podemos ver o desespero e superação de diferenças de homens que acabam tendo que fazer de tudo para sobreviver, passando por cima de qualquer situação e aprendendo a se unir para que todos saiam daquele momento ilesos.

O elenco conta com Chris Pine, Casey Affleck, Ben Foster, Holliday Grainger, John Ortiz, Eric Bana, que não deixaram a desejar em nada. Craig Gillespie é o diretor do longa, que em diversas cenas recriou os cenários baseados em algumas fotografias originais da época do acidente, que são mostradas nos créditos finais do longa.

Horas Decisivas estreia nos cinemas  no dia 18 de Fevereiro e é um ótimo filme para quem quer fugir um pouco dos super heróis (que eu adoro) e com certeza vai se surpreender pela qualidade do filme, e deixe de lado também o preconceito por ser um filme Disney e a ideia de que será algo infantilizado, garanto que o filme vai fazer você ficar tenso em diversos momentos.

Nota: classificação 4

 

 

One thought on “Horas Decisivas – Análise/Crítica”

Deixe uma resposta