Terceiro dia de CCXP 2015 (05/12)

Sábado de muitas filas, mas com Misha Collins, pré-estreia de O Bom Dinossauro, painéis Disney/Pixar, Evangeline Lilly, Marvel e pra fechar com chave de ouro Star Wars. E isso foi só um pouquinho do que rolou neste terceiro dia de Comic Con Experience.

Após a pré-estreia de O Bom Dinossauro (The Good Dinosaur) rolou um bate-papo com o diretor do filme, Peter Sohn contando e mostrando todos os detalhes da produção do longa. O trio de humoristas Os Barbixas, que dubla os personagens Raptores também marcaram presença nesta pré-estreia.

Depois foi a vez da Disney apresentar o painel ootopia, sua nova animação original, que contou com a participação do ator e dublador Rodrigo Lombardi e a inusitada aparição do jornalista Ricardo Boechat, do Jornal da Band, que dublará uma onça pintada chamada Boi Chá, personagem exclusivo na versão brasileira. Uma homenagem aos fãs do Brasil. O jornalista brincou sobre a escolha e disse que acredita que foi convidado por causa dos seus seis filhos “sou um reprodutor em extinção, assim como a onça pintada.” Brinca. “Foram os 15 segundos mais empolgantes da minha vida..”finaliza Boechat.

Um dos grandes momentos foi a presença de Anthony Russo (de Community; seu irmão Joe não embarcou por problemas de saúde), destacando a exibição exclusiva do trailer estendido de Captain America: Civil War que até então só havia sido exibido para um público restrito na convenção D23 na California.

O vídeo aprofunda um pouco mais os motivos que levam Steve Rogers a se tornar um foragido do governo, caçado por seus ex-companheiros como a Viúva Negra e o Homem de Ferro. Russo explicou que o longa será vagamente inspirado no material original, mas que os elementos centrais estarão por lá. “Os fãs precisam manter a mente aberta e saber que diferençar vão existir”, ressaltou.

As questões que o entrevistador Érico Borgo (do portal Omelete) e o público questionaram ao diretor circundaram os personagens novos ou que retornam ao Universo Marvel nos cinemas, como o Homem-Aranha (“Não mostre nada dele!”, Borgo pediu encarecidamente), o Pantera Negra e o General Ross. Até mesmo o relacionamento entre o Visão e a Feiticeira Escarlate vieram à tona, ao que Russo foi sabiamente reticente. As respostas, portanto, terão de esperar até maio de 2016, quando o filme estreia mundialmente.

Mas o painel mais aguardado do dia com certeza foi Star Wars. O produtor de O Despertar da Força, novo filme da saga Star Wars, Bryan Burk, surpreendeu os fãs presentes no auditório Cinemark ao exibir com exclusividade o novo teaser do filme, com cenas dos bastidores e depoimentos dos protagonistas do novo episódio e do diretor J.J. Abrams. Os inesquecíveis Luke Skywalker e Han Solo, interpretados por Mark Hamill e Harrison Ford, também apareceram no trailer.

No painel mediado por Borgo, do Omelete, Burk falou sobre o desafio de lançar um filme sem spoilers nos dias de hoje. “Quando trabalhamos em um projeto assim, sempre mantemos segredo”, conta. Para ele o mistério antes do lançamento influencia na forma como o público recebe o produto final. “Quando vi os primeiros episódios de Star Wars, fiquei surpreso ao descobrir que o Luke e a Leia são irmãos, por exemplo. Quero que as pessoas tenham esse sentimento de novidade”, completa. O produtor afirmou ainda que nem as famílias das pessoas envolvidas com o filme sabem detalhes do enredo. E sem dar muitas pistas sobre o sétimo episódio, que estreia nos cinemas no dia 17 de dezembro, Bryan Burke disse apenas que os espectadores podem esperar surpresas, personagens marcantes e a Força mais presente do que nunca, como o nome do filme pode sugerir. Ele encerrou sua participação no painel dizendo aos fãs uma das frases mais icônicas de Star Wars – “Que a força esteja com vocês”.

E para finalizar Evangeline Lilly  conversou com os fãs sobre sua carreira no cinema. Esbanjando simpatia, a atriz elogiou o público que vibrava a cada resposta. “Vocês são mais entusiasmados do que San Diego (EUA)”, disse. Evangeline se declarou “totalmente geek” ao falar da personagem Tauriel, de “O Hobbit”, a quem atribuiu a oportunidade de interpretar “a melhor coisa do mundo”. “Sou fã da saga, eu sonhava em ser uma elfa desde os 13 anos de idade. Fazer a Tauriel, que não está nos livros, foi uma oportunidade de participar de uma criação dentro de um universo pronto”, afirmou.

Reconhecida por seu trabalho em “Lost”, Lilly declarou que “amou” o polêmico final. “O objetivo é fazer a pessoa encontrar sua própria resposta”. Sobre o papel da Vespa em “Homem-Formiga”, ela disse que nunca havia assistido a um filme da Marvel, mas ficou intrigada quando soube da participação de Paul Rudd. Em seguida, despistou sobre a sequência, programada para 2018. “Ainda não sei do roteiro, mas gostaria que ela tivesse um filho. E que sua mãe fosse Michelle Pfeifer”, brincou.

 

Deixe uma resposta