Crítica – Moonlight: Sob a Luz do Luar

Um filme marcante sobre as descobertas pessoais, amor, família e amizade de um jovem em uma sociedade violenta e preconceituosa. O longa dirigido por Barry Jenkins, foi baseado na história “In Moonlight Black Boys Look Blue”, de Tarell Alvin McCraney, e  surpreendeu a todos ao levar o Oscar de Melhor Filme na cerimonia de 2017 que aconteceu neste domingo, 26.

Dividido em 3 atos (Little, Chiron e Black) Moonlight: Sob a Luz do Luar mostra a difícil jornada de amadurecimento pessoal durante as 3 fases da vida de um jovem (infância, adolescência e vida adulta) para encontrar sua essência e se aceitar em um mundo tão desigual e turbulento.

moonlight1No primeiro ato Chiron, conhecido como Little, (interpretado por Alex Hibbert) um solitário e introspectivo menino, filho de uma mãe viciada em crack (Naomie Harris, indicado ao Oscar de Melhor Atriz Coadjuvante) e que sofre bullying constantemente por não entender sua sexualidade e que acaba encontrando um laço familiar ao conhecer o traficante Juan, interpretado por Mahershala Ali, premiado merecidamente com o Oscar de Melhor Ator Coadjuvante, e sua namorada Tereza (Janelle Monáe). Outro ponto de ligação importante nesta fase é seu amigo Kevin (Jaden Piner) que ajuda Chiron a  se conectar e interagir para enfrentar essa realidade que vive.

moonlight2Na fase adolescente o sensível Chiron (Ashton Sanders) começa a descobrir sua sexualidade e as consequências que a falta de estrutura trazem para a aceitação de suas escolhas.

moonlight3Já no ato final Chiron agora conhecido como “Black” (Trevante Rhodes) se torna um traficante de drogas e para conseguir o respeito que nunca teve assume uma identidade de mentira apresentando um visual gangster, super musculoso e um ar masculinizado que apaga todas as características que apresentava e que o marcavam nos atos anteriores.

O longa mostra a todo momento uma grande crítica social enquanto vamos acompanhando todos os dramas e incertezas vividos por Chiron. Com um elenco surpreendente e um roteiro muito bem estruturado a história é mostra com uma certa poesia o quanto pode ser difícil se encontrar e se aceitar no mundo em que vivemos e como cada escolha muitas vezes é o mais puro reflexo da realidade em que vivemos e não de nossas escolhas pessoais.

Moomlight: Sob a Luz do Luar estreou nos cinemas em 23 de fevereiro e com certeza vale o ingresso.

Nota: classificacao-positiva

1 thought on “Crítica – Moonlight: Sob a Luz do Luar

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: