Análise – Segunda Temporada de The Flash

A segunda temporada de The Flash terminou nesta semana, essa que começou com muitas perguntas, já que o season finale da primeira deixou todos os fãs enlouquecidos. E  também encerra este segundo arco da série muito bem, e continua seu legado mostrando que é uma das melhores séries de super-heróis do momento. A temporada começou esclarecendo muitas das perguntas da temporada anterior já em seu primeiro episódio, com apresentação de novos personagens que ganharam sua própria série, e o vilão Zoom sempre enigmático, e mesmo que em alguns momentos imitando Flash Reverso, foi muito bem colocado e isso não atrapalhou em nada o desenvolvimento da série.

Com um início bombástico The Flash continuou sendo a melhor série baseada em quadrinhos até hoje, mas aí aconteceu o problema de ter 23 episódios e o vilão da semana, os episódios do meio da temporada foram massantes e em alguns casos difíceis de assistir, mas as referências aos quadrinhos deixavam até mesmo esses episódios interessantes com cenas marcantes como a do helicóptero, onde se parecia com uma página de HQ do Flash e as cenas com herói em alta velocidade, que tiveram uma grande melhora nos efeitos visuais comparado a primeira temporada.

Os vilões de cada semana foram muito bem trabalhados com o uso do Multiverso, que funcionou muito bem na série (melhor que na HQ talvez) já que mesmo pessoas que não fazem ideia de como isso funcionava conseguiram entender o conceito e como funcionava o Multiverso. Personagens como Tubarão Rei e Nevasca aparecendo e enfrentando o Flash, até mesmo Harrison Wells que retorna a série e aparece como um remanescente da Terra-2 interpretado novamente pelo ator Tom Cavanagh que não deixou nada a desejar, e alguns episódios valiam a pena ser assistidos apenas pela presença do ator.

Mas alguns outros aspectos deixaram a desejar sim, como o romance entre Barry e Iris que não chega nem perto da HQ, parece que Grant Gustin, que é um excelente Flash, e Candice Patton (que não é tão excelente assim) não conseguem ter uma boa química, e sempre que eles estão juntos da aquela vontade de trocar o canal. Enquanto Carlos Valdés (Cisco), Jesse L. Martin (Joe) e Danielle Panabaker (Caitlin) conseguem ser carismáticos e compõem a série com maestria.

Agora Spoilers do Ultimo Episódio

flash-negro

Durante o último episódio pudemos ver um Barry Allen mais confiante e com sede de vingança, mostrando um outro lado do Flash que justificou sua atitude no final do episódio. Em uma luta final contra Zoom que foi muito bem elaborada e digna do tamanho da série, mas o que chamou mais atenção não foi esse embate e nem a aguardada revelação do Homem da Máscara de Ferro, que foi revelado discretamente durante os episódios finais da temporada, mas sim algumas coisas que aconteceram durante a disputa e duelo final entre Flash e Zoom.

Como o fato de Zoom se transformar no Flash Negro, um personagem que pode ser usado na próxima temporada, mas o mais impressionante com certeza foi quando Barry volta no tempo e chega novamente ao momento em que sua mãe vai ser morta e desta vez a salva. Será que isso vai criar a saga Flashpoint? Veremos Batman? Ou teremos um Arqueiro Verde descontrolado como o da Terra-2. É incrível ver como os produtores conseguem voltar novamente para o início da série e ao mesmo tempo desconstruir tudo, mostrando o verdadeiro poder do Flash, que na próxima temporada estará completo e poderá sim fazer tudo o que o heróis faz nos quadrinhos. A parte ruim é que infelizmente teremos que esperar até Outubro para ver o que realmente vai acontecer.

Nota: classificacao-positiva

1 thought on “Análise – Segunda Temporada de The Flash

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: