Análise – Quarta Temporada de Orange Is The New Black

Orange is The New Black é a uma das séries originais Netflix mais famosas atualmente e retrata a vida de mulheres em uma prisão de segurança mínima dos EUA. A primeira temporada mostrava a jornada de Piper Chapman (Taylor Schilling), um patricinha que chegava na prisão de Litchfield e tinha que aprender a viver naquele mundo diferente e “agressivo”. Agora a série está em sua quarta temporada e não conta mais apenas com a história da Piper, mas sim com muitas histórias impactantes e diferentes já que muitas das personagens tem algo para acrescentar, e com isso deixar OITNB muito melhor.

Nessa temporada o presídio está com super lotação e novos guardas totalmente despreparados para a função, fato que gera conflitos entre as presas e com isso alguns grupos são formados. Novas líderes se apresentam no decorrer dos episódios e essa é uma das grandes mudança na série. Um dos pontos altos deste novo ano já que diferente da temporada passada onde algumas mandavam e outras simplesmente eram passivas e nem ligavam para aquela situação, dessa vez a criação de grupos e dominantes foi melhor explorado. A relação delas com os novos guardas também foi bem aproveitada, com discussões sobre abuso sexual e abuso de autoridade.

Orange is The New Black sempre aborda um lado mais feminino das situações cotidianas e faz isso com maestria, como a relação de Doggett com o guarda Charlie Coates que mostra uma visão diferente da temporada passada, onde tudo é explicado de uma maneira forte mas sutil, pois ao mesmo tempo mostra Doggett tomando uma decisão inesperada e uma resposta com sentimento de arrependimento de Charlie que causa repulsa, e com certeza ainda vai causar uma discussão interessante sobre o caso.

O melhor episódio que conferimos foi o que apresenta o passado de Lolly, a personagem mais profunda e interessante da temporada que traz uma carga dramática junto com diversos momentos cômicos. A atriz Lori Petty fez um ótimo trabalho e se mostrou excelente no papel, até mesmo Christina Brucato, que interpretou Lolly jovem conseguiu manter o nível de atuação que resultou em uma das mais tristes histórias da série.

Agora o pior da temporada ficou com o núcleo de Piper, enquanto tudo seguia para assuntos sérios e reais a personagem “principal” continuava em um mundo de fantasia, completamente deslocada das demais personagens. Em um momento tudo parecia que iria mudar, mas dois episódios depois ela voltou a ser sem vida e sem graça.

O trecho a seguir contém Spoiler então se vc ainda não conferiu a quarta temporada da série pare por aqui…

Essa foi a temporada mais pesada da série e a morte no final muda todo o tom do que podemos espera para o próximo ano. O fato ocorrido foi questionado por algumas pessoas, mas os produtores já explicaram que foi baseado em uma história real, e com certeza vai te deixar triste, depois com raiva e, com certeza vai dar ainda mais vontade de ver a continuação.Mas logo depois você se lembra que precisa esperar a confirmação da quinta temporada. Então se não assistiu ainda faça já sua maratona.

Nota: classificacao-positiva

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: